A indústria de games está crescendo. Com cerca de 40 anos de existência, finalmente pode ser considerada parte da indústria de entretenimento. Em 2008 estimam-se 11.7 bilhões de dólares de rendimento apenas nos Estados Unidos, representando um crescimento de cerca de 23% se comparado ao ano anterior. Enquanto isso a indústria fonográfica rendeu 10.4 bilhões no mesmo ano, uma queda de quase 30% em relação aos números da ultima década, já a indústria cinematográfica gerou 9.8 bilhões nas bilheterias em um ano récorde.

Esses números mostram que videogame não é mais coisa de criança, muito pelo contrário, a ESA (associação de softwares de entretenimento americana) estima que a idade média dos “gamers” é de 35 anos, sendo que a maioria deles está jogando há 12 anos – não é brinquedo não.

Não é de estranhar que os pesos pesados do mundo do entretenimento queiram uma parte do mercado que, apesar de seu tamanho já considerável, ainda tem muito espaço para crescer e amadurecer. Empresas como Disney, Warner, Viacom ) e NBC Universal têm aumentado seus investimentos no setor, gastando cerca de 3 bilhões de dólares nos últimos 5 anos. Essas companhias possuem entre seus ativos propriedades intelectuais conhecidas e valiosas. A Warner pode contar com Harry Potter, Senhor dos Anéis e todo o acervo da DC Comics; a Disney  dona de Mikey Mouse, Pixar e, com a compra da Marvel Enterteinment, passa a ter um catálogo ainda maior para explorar. Não podemos desconsiderar Viacom e NBC Universal, que possuem Dreamworks, Nickelodeon, MTV e os estudios Paramount, entre outras.

Essas propriedades já vêm sendo exploradas no meio do entretenimento eletrônico, sempre houve jogos que baseados em filmes ou seriados, porém esses acordos eram feitos através de licenciamentos para as empresas do ramo de videogames. O que temos agora é um novo arranjo onde essas empresas estão adquirindo estúdios para desenvolvimento de jogos próprios com a promessa de maior qualidade e receitas diretas. A Viacom utilizou sua marca MTV para criar a MTV games, selo que é usado nos jogos da série Rock Band (que recentemente lançou o jogo The Beatles: Rock Band). Já a Disney criou o Disney Interactive Media Group e está investindo tanto nas suas marcas estabelecidas quanto em produções novas feitas especificamente para o público gamer. A Warner também adquiriu estúdios de desenvolvimento da antiga companhia Midway (Mortal Kombat e Cruis’N USA) e também busca um equilibrio entre as propriedades de cinema e as marcas conhecidas pelos gamers.

Diferente de empreitadas passadas desses gigantes do entretenimento na área, que procuravam um nicho para seus produtos dentro do mercado dos games e através de parcerias, hoje a estratégia parece ser mais orgânica.. Integrar-se ao mercado com jogos que agradem ao público existente ao mesmo tempo em que fazem experimentos para conduzir a próxima geração de gamers. Teremos que esperar para ver se isso será uma grande ameaça para as distribuidoras tradicionais que dominam o mercado, mas uma coisa é certa: esses titans do entretenimento vieram para ficar.